« Home | TEMPO DE ELEIÇÃO O cenário político brasileiro f... » | ASAS DO ESQUECIMENTO Asas pretas que voam O mau c... » | Princesa do Solimões Num afluente do Rio Solimões... » | O NARCISISMO DE UM PENTA A copa do mundo é uma es... » | SACO QUE ENGORDA Puxa o saco, Mela mão Quanto ma... » | E o sonho se acabou Num caminho sem brilho sigo ... » | Um filho Zé Zé do talento Zé do humor Zé de Zé Do... » | Uma estrela que brilha Com uma bola no pé Filho d... » | CRÔNICA:Coisas da Língua A língua portuguesa é re... » | POESIA: Êxtase Na intimidade do meu pensamento Na... » 

segunda-feira, dezembro 04, 2006 

Esta poesia é uma dedicação especial à minha filhota, cujo amor é imensurável.

Lorena

Pequena, singela beleza,
Pureza, estrela.
Brilho nos olhos,
Sorriso na boca,
Cabocla pequena,
Serena, sapeca.
É você Lorena!

A tua inocência serena,
Pequena Lorena, é o
Encanto dos meus olhos.

Lorena que brinca,
Que pula, que corre,
Lorena que foge...

Te vejo, te beijo,
Te carrego no colo,
Filha única, querida
E muito, muito amada!

(RAIFRAN BRANDÃO ARAÚJO)

Olá acho válido o seu comentário sobre a situação política brasileira em tempos de eleições mas considero ingênua a sua redundância em torno da educação do povo que se esta fosse a única variável responsável pelo quadro deprimente em que se encontra o cenário político brasileiro. Também discordo da afirmação "marcado pela herança colonialista do expansionismo europeu". Sabe-se que as nações européias tiveram diferentes objetivos no processo de colonização das Américas e de todos o mais dantesco (para nossa falta de sorte)foi Portugal. Nessas diferenças de fins europeus estão a formação religiosa de cada país, o processo de formação dos estados nacionais (Itália e Espanha, por exemplo tiveram origem da união de várias cidades-estados), ideológicos (o iluminismo da Inglaterra e França) econômicos (a ressurreição econômica da Holanda, na época), etc. Portugal, terra de inescrupulosos que a todo custo queriam tirar vantagem do domínio dos oceanos, foi a pátria de refugiados da luta contra o oriente, comerciantes oportunistas, realeza emergente e sem limites para a ascenção econômica, viram no Brasil a Terra da riqueza fácil. E para completar, ainda enviaram as piores espécies para cá que só queriam se dar bem. Essa herança cultural é preponderante: O mais esperto é sempre o melhor. E isso não se dá só na política partidária como você enfatizou, mas em todos os setores da sociedade. Outro contraponto: Ideologias no Brasil, como a história recente mostra, tem sido apenas um mecanismo de reunir multidões e alçar figurões ao poder. O PT é o exemplo. Com a legislação eleitoral atual que temos aí (imunidade parlamentar, voto secreto para votação no congresso de assuntos de interesse da população, interdependência dos três poderes, com o executivo dando as cartas, não há educação ou ideologia que dê jeito. A educação é essencial não pode ser concebida de forma simplista ou fisiológica como você citou. Isso só agrega valor às estatísticas mostradas pelo governo de que X pessoas estão na escola e N alunos foram aprovados, mas na íntegra esse formação é capenga e inútil para a cidadania. Além de uma formação educacional consistente e plural, o que tem que haver é o rompimento com os valores históricos que nós temos e isso não se dá do dia para a noite e como a história nos mostra não é fácil e as vezes só acontece a base de muito derramamento de sangue. Li os seus artigos e vejo muita preocupação em mostrar uma análise sociológica histórica mas sem muito fundamento espacial . Parece coisa de euforia de um recém - nascido do ambiente acadêmico. Falta uma certa consistência. Abraços.

PS.: Aliás qual a sua formação científica social.

Robério Beta (Cientista Social - Unb)

Postar um comentário

Quem é Raifran?

  • I'm Raifran Brandão Araújo
  • From Zé Doca, Ma - Tefé/Am, Brazil
  • A internet é esse fantástico mundo sem fronteiras e me sinto no dever de fazer dela um elo de comunicação entre a sociedade e a informação. Denunciar, criticar, sugerir e tudo que possa valorizar a sociedade e o espaço democrático. “Não podemos deixar que os desmandos das oligarquias políticas continuem tirando dos ribeirinhos o sonho de serem cidadãos". É preciso criar uma ruptura cultural e este espaço valoriza isso”. Sou Idealista, poeta amador, diretor e fundador do Jornal Folha de Tefé, lançado em 25/08/2007 e O Solimões.
Meu Perfil
Powered by Blogger
and Marcelo Braga