« Home | Tefé, cultura, governantes e governados Em meio a... » | Verão tefeense – paraíso ou pára com isso? » | Um olhar Teu olhar tão puro Tão singelo Fez-me en... » | Esta poesia é uma dedicação especial à minha filho... » | TEMPO DE ELEIÇÃO O cenário político brasileiro f... » | ASAS DO ESQUECIMENTO Asas pretas que voam O mau c... » | Princesa do Solimões Num afluente do Rio Solimões... » | O NARCISISMO DE UM PENTA A copa do mundo é uma es... » | SACO QUE ENGORDA Puxa o saco, Mela mão Quanto ma... » | E o sonho se acabou Num caminho sem brilho sigo ... » 

quinta-feira, janeiro 10, 2008 

O natal e a arte de criar

A prefeitura municipal de Fonte Boa realizou no período natalino várias atividades na praça Nossa Senhora de Guadalupe: montou presépio, apresentou teatro, realizou concurso de dança, entregou presente à comunidade e etc. Mas foram as obras criadas por particulares que chamou a atenção, encantou o público e acabou roubando a cena. A primeira foi o presépio e a árvore de natal da rua Belarmino Lins, feita por comunitários e que esbanjou beleza, criatividade e acabou virando parada obrigatória para os cristãos. Não menos criativa foi a dramatização criada pelo professor Sebastião Ferreira Lima, na Boulevard Álvaro Maia, pena que vista por poucas pessoas. Aproveitando o tema “Amazônia e Fraternidade” da Campanha da Fraternidade de 2007, o professor Sebastião contextualizou, na realidade amazônica, o nascimento do menino Jesus. De canoa, Maria e José surgiram como dois caboclos calejados pelas dificuldades do cotidiano dos ribeirinhos amazônicos. Numa casa de farinha, Maria dar a luz e num paneiro deita o menino Jesus. A dramatização foi uma aula de originalidade, criatividade e valorização regional. Em Fonte Boa, durante o período natalino, o que faltou nos homens públicos sobrou nos particulares, criatividade e iniciativa. Surpresa seria se fosse o contrário.

É isso aí Raifran.
Vá a luta. Parabéns!
Sou teu fã.

Postar um comentário

Quem é Raifran?

  • I'm Raifran Brandão Araújo
  • From Zé Doca, Ma - Tefé/Am, Brazil
  • A internet é esse fantástico mundo sem fronteiras e me sinto no dever de fazer dela um elo de comunicação entre a sociedade e a informação. Denunciar, criticar, sugerir e tudo que possa valorizar a sociedade e o espaço democrático. “Não podemos deixar que os desmandos das oligarquias políticas continuem tirando dos ribeirinhos o sonho de serem cidadãos". É preciso criar uma ruptura cultural e este espaço valoriza isso”. Sou Idealista, poeta amador, diretor e fundador do Jornal Folha de Tefé, lançado em 25/08/2007 e O Solimões.
Meu Perfil
Powered by Blogger
and Marcelo Braga