« Home | Tefé folia: o circo, o palhaço e a platéiaO ano ma... » | Lorena IIIMeiga e doce, sincera é elaTe amo Lorena... » | Lorena Pequena, singela beleza,Pureza, estrela. Br... » | O natal e a arte de criar A prefeitura municipal ... » | Tefé, cultura, governantes e governados Em meio a... » | Verão tefeense – paraíso ou pára com isso? » | Um olhar Teu olhar tão puro Tão singelo Fez-me en... » | Esta poesia é uma dedicação especial à minha filho... » | TEMPO DE ELEIÇÃO O cenário político brasileiro f... » | ASAS DO ESQUECIMENTO Asas pretas que voam O mau c... » 

quinta-feira, maio 13, 2010 

Quanto custa a vida?

Editorial de O Solimões - Publicado em 03/12/2009

A absolvição do advogado Krien Oliveira de Queiroz, acusado por homicídio e absolvido em júri popular trouxe uma nova discussão: - Quanto custa a vida? Há quem diga que ela não tem preço, mas há quem diga também que seu preço é do tamanho do dinheiro que se tem no bolso ou ainda da influência que alguém possa representar.

Opiniões à parte, o que se sabe mesmo é que a vida se encerra com a morte. Morte que poderá vir por decorrência do próprio tempo, acidentes e de tantas outras formas. Ruim mesmo é quando ela é antecipada, assistida como uma tragédia que choca, que tem vítima e vilão e que com o tempo, como os castelos de areia edificados às margens dos rios ou dos mares somem sem deixar marcas. Neste caso, um crime “sem culpados”. Marcas que ficarão no resto da vida da mãe que teve seu filho condenado à morte por um motivo banal. Se é que há motivos razoáveis para se tirar a vida de alguém sem sentença condenatória.

Na lei dos homens, a vida tem preço e como se trata de homens são eles que dão o preço. No caso de Alderly Martins, um jovem de origem pobre, a vida não custou nada. O único apontado como autor de sua morte foi absolvido e como foi defendido pela família não teve despesas nem com advogado. Despesa só na festa de comemoração pela absolvição, que contou até com seguranças. Festa que deverá ficar marcada na consciência de quem praticou o crime a lembrança de um dia para celebrar a impunidade, a injustiça e o desrespeito à vida.

Para a sociedade que se acostumou a apontar o dedo para a justiça e acusá-la de conivente ou de injusta, pelo menos neste caso, não se legitima esse direito, o acusado foi para o banco dos réus e quem o absolveu foi a própria sociedade ou pelo menos quem deveria representá-la. Por generosidade ou por convicção o Conselho de Sentença “encerrou” um caso, longe dos autos-falantes da Câmara dos vereadores, na movimentada Rua Olavo Bilac, em Tefé/Am, onde habitualmente se realizam as sessões do júri.

Em um local discreto, longe dos olhos de curiosos e sob o olhar desconfiado de quem compareceu, o veredicto final de um julgamento que ficará lembrado pela insignificância da vítima (cidadão comum) e o status do réu (um advogado).

Na república dos sem terras e no país do bolsa família, a luz não é para todos, e às margens de um rio que testemunha os contrastes entre pobres e ricos na rica e exuberante bacia Amazônica, quem advoga é doutor, fala quem não tem medo, réu vira vítima, vítima vira culpado, a vida tem preço ou poderá não custar nada.

Por Raifran Brandão

è Raifran, muitos operadores do Direito encontram-se uma capa a qual por ter um conhecimento amplo sobre leis, acham que tem uma capa de proteção sobre os atos cometidos, infelizmente e dificil de falar mas e a verdade, Tefe é uma cidade sem lei..

Gostaria de comentar sobre o acidente que deixa a vida de meu tio Francisco Wille Melo do nascimento, (IGOR) em uma UTI, com endema Cerebral, com gravissimo estado de Saude, e a Sobrinha de Abel Alves, Lizele farmaceutica bioquimica passeando, curtindo a vida os amigos, as bebidas, depois de uma imprudencia, e nem se quer um espirito humano, de compaixao, e considerado um ato desumano, OMISSAO DE SOCORRO e cara de Pau de dizer que nao foi ela depois de tantas testemunhas, saiba queria que ao superior de uma JUSTICA existe DEUS, voce pode nao pagar pelo que fez, mesmo que todos seus familiares e sua cara de pau estrondosa diga que nao foi vc, sua consciencia vai pesar, e o seu juizo nao sera ai nessa cidade sem lei TEFE. infelizmente! mas sera com DEUS..

Peço forcas e oracoes para meu tio, que nao podera ver sua filha nascer, e nem desfrutar dessa felicidade, mas que ele saia com vida do Hospital Joao Lucio e sem sequelas..

ao Raifran desculpe usar de seu Blog para desabafar, mas so atraves desta maneira TEFE tera conhecimento o quanto a lei faz falta em TEFE

Desculpe-me pela pergunta ser meramente curiosidade!mais é que sou do Maranhao e vi no seu perfil que vc tambem é Maranhense e queria saber se seu irmao Railton é a mesma pessoa que tinha uma escola de informatica em Lago da Pedra-MA!"Microdados".
ps. parabens pelo blog ta muito legal!me orgulho de ver nós Maranhense brilhando nas terra alheia!rs

Mandou bem Raifran tenho a mesma opinião. É decepcionante ver quanto foi absurdo esse desfecho. A o que parece , a justiça não só em nossa municipio, mas também em nosso país é cega, surda, muda e burra favorecendo assim as classes dominantes o que ficou explícito nesse caso.

Postar um comentário

Quem é Raifran?

  • I'm Raifran Brandão Araújo
  • From Zé Doca, Ma - Tefé/Am, Brazil
  • A internet é esse fantástico mundo sem fronteiras e me sinto no dever de fazer dela um elo de comunicação entre a sociedade e a informação. Denunciar, criticar, sugerir e tudo que possa valorizar a sociedade e o espaço democrático. “Não podemos deixar que os desmandos das oligarquias políticas continuem tirando dos ribeirinhos o sonho de serem cidadãos". É preciso criar uma ruptura cultural e este espaço valoriza isso”. Sou Idealista, poeta amador, diretor e fundador do Jornal Folha de Tefé, lançado em 25/08/2007 e O Solimões.
Meu Perfil
Powered by Blogger
and Marcelo Braga